Arquivo da tag: historia de paracatu

Casa de Cultura e o Largo da Jaqueira

(por: José Rodolpho Assenço)

                   A Casa de Cultura de Paracatu e o Largo da Jaqueira constituem belos patrimônios dessa cidade. Incrustados no centro histórico, situam-se ao final da Rua do Ávila (esta totalmente de casarões do período Imperial), na praça Coronel Fortunato.

                   Em uma viagem, no começo desse ano, para visitar alguns amigos da cidade, fui avisado pelo Secretario de Cultura, Senhor Isac, da existência de uma bela exposição de artes sacras, de um acervo particular, acontecendo na Casa de Cultura.

casa_de_cultura

casa_de_cultura

                   Decidi, então, visitar a exposição, aproveitando para fotografar esse prédio histórico e sua inserção no contexto de todo o largo.

casa_da_cultura_de_paracatu

casa_da_cultura_de_paracatu

                   A Casa de Cultura de Paracatu teria sido o Palácio do Conselho das Minas da Vila de Paracatu do Príncipe e teria sido conhecido, à época, pelo nome de Prédio Baixo do Conselho, construído pelo comendador Domingos Pimentel de Ulhôa entre os anos de 1854 e 1857 e local onde viveu com sua família por anos.

                   Posteriormente, residiu no casarão o Coronel Fortunato Botelho, sendo que esse possuía, na parte inferior do casario, e por volta dos anos 1860 e 1870, um grande armazém.

                   Em 1880, o casarão sediou a Escola Normal de Paracatu, e, posteriormente, o colégio Afonso Arinos até 1930.

                   Depois, pela proposição do professor e historiador Lavoisier Wagner Albernaz, com o apoio do prefeito à época, foi criada a Casa de Cultura de Paracatu e, por fim, em 2006, o casarão teve uma delicada restauração, tornando-o mais parecido com o original.

                   Assim que cheguei ao local, iniciei minhas fotos da composição do Largo da Jaqueira de alguns casarões que passam nesse momento por um processo de reforma e restauração.

largo_da_jaqueira

largo_da_jaqueira

                     Já estive nesse local por diversos momentos. Num deles, pude observar um destes eventos:  no decorrer do mês de outubro, por ocasião do aniversário da cidade, ali se apresentam uma opereta — onde a plateia fica ao centro, no largo propriamente dito — e os músicos, que a executam das janelas e sacadas dos casarões; em outro, presenciei, no período do carnaval, quando ali também acontece a festa de carnaval de outrora, ocasião em que se executam diversas machinhas do início do século passado.

                   Ainda nesse local, acontece a festa da cachaça, com exposição das diversas aguardentes fabricadas na região noroeste.

                   Realizei algumas fotos da fachada de frente do largo do casarão e parti para a visita à exposição — mencionada pelo secretário Isac — e ao belo prédio.

arte_sacra_em_paracatu

arte_sacra_em_paracatu

                   Logo que entrei no casarão, aproveitei para fotografar diversas imagens religiosas, santos, estatuetas, toalhas e cortinas na composição.

moveis_e_decoração_da_casa_da_cultura

moveis_e_decoração_da_casa_da_cultura

                   O casarão é composto por diversos cômodos, e a exposição ocupou três desses conjuntos, os quais tive o prazer de visitar.

exposição

exposição

                   Segui para os demais cômodos do palácio no intuito de fotografar estes e os móveis de época existentes no local.

moveis e exposição

moveis e exposição

                   O prédio possui também uma grande área interna ornamentada com diversos vasos de orquídeas, espelhos antigos, uma bela varanda da qual se pode observar a parte inferior da casa, onde provavelmente tenha sido a senzala e posterior armazém de secos e molhados.

casa_da_cultura

casa_da_cultura

                   Em seu quintal, ao fundo, construído em pedra¸ há um anfiteatro.

anfiteatro_na_casa_de_cultura

anfiteatro_na_casa_de_cultura

                   Por fim, antes de finalizar a visita, estive em um pequeno e antigo auditório, provavelmente onde funcionava o antigo conselho.

auditório_da_casa_de_cultura

auditório_da_casa_de_cultura

                   Finalizada a visita, e tendo colocado meu registro ao livro de visita da exposição de artes, segui pela Rua de Ávila até uma quitanda especializada em vender biscoitos e doces produzidos na região.

Igreja de São Sebastião do Pouso Alegre

(por: José Rodolpho Assenço)

                        A Igreja de São Sebastião do Pouso Alegre talvez seja a mais bela entre as que estão situadas em área rural. Mas pede socorro, e corre sério risco de ruir a qualquer momento.

escoramento_da_igreja

escoramento_da_igreja

 

                        Conta a história que, por volta de 1880, o fazendeiro Imeliano Silva Neiva era o homem mais rico de toda região, com terras que seguiam da divisa com a cidade de Paracatu, Minas Gerais, até as margens do Rio São Marcos. Devoto de São Sebastião, teria mandado erguer a Igreja de São Sebastião e construir um cemitério. Fez uma doação significativa de terras, ao Santo, de aproximadamente 400ha. Ali se formou um vilarejo, hoje extinto.

igreja_de_sao_sebastião_do_pouso_alegre

igreja_de_sao_sebastião_do_pouso_alegre

 

                        Os relatos de fazendeiros mais antigos da região indicam que, quando a Igreja funcionava, havia sempre a festa de São Sebastião com muitos cavaleiros, procissão, novenas, muita música e diversas comidas. Essa festa recebia bastante gente que vinha de diversas regiões do município e até de cidades vizinhas a Paracatu.

                        Por situar-se em área rural, nos dias de hoje, teria sido saqueada e suas imagens — incluindo uma do Mestre Athaíde — roubadas.  

                        Existe um orçamento de restauração da referida Igreja que monta um milhão de reais, feito há alguns anos, e há esforços da comunidade de Paracatu para que isso aconteça.

                        Saímos para visitar a Igreja, partindo de Paracatu, eu, o fotógrafo Cleber Medeiros e meu amigo da cidade Humberto Neiva. Seguimos no rumo da divisa com Goiás, a uns 26 quilômetros; entramos em uma estrada de terra que parte do posto Ranchão e seguimos por aproximadamente uns oito quilômetros nesse trajeto. Levando em consideração que a “estrada real” seguia trajeto semelhante até o Registro do Arrependido, fiquei imaginando se não seria parte do caminho dessa antiga trilha das tropas de moares.

                        Logo chegamos à Igreja, próxima a essa estrada. Humberto estacionou a camionete e iniciamos imediatamente alguns conjuntos de fotos da parte externa da Igreja. Na frente desta, existe um único túmulo que imagino seja de alguma autoridade eclesiástica; logo mais à frente, uma grande cruz que, a exemplo do túmulo, também já estava deteriorada.

cruz_de_sao_sebastião_do_pouso_alegre

cruz_de_sao_sebastião_do_pouso_alegre

 

                        De fachada belíssima, com uma varanda ao seu lado esquerdo, a bela Igreja em ruínas tem um ar especial.

detalhe da varanda

detalhe da varanda

 

                        Seguimos o conjunto de fotos e fomos avisados por Humberto para termos cuidado e não entrarmos na Igreja, tendo em vista o risco de acidente. Alerta logicamente não atendido, pois preferíamos correr o risco e poder registrar tudo da bela Igreja, até mesmo  a triste condição em que ela se encontra.

                        Em sua nave principal, registramos fotos do escoramento, colocado em 2008, para que ela não viesse a ruir em definitivo. Mas o estado dela está crítico: a situação do telhado, que parece mais uma peneira; o taboado do mezanino terrivelmente deteriorado.

mezanino

mezanino

 

Mesmo assim, há muitas partes bonitas: a belezas do altar,

altar

altar

 

 

dos diversos túmulos emparedados em sua nave, do balaustre que normalmente era  utilizado para que um músico tocasse um violino ou uma flauta quando das solenidades. 

balaustre

balaustre

 

                        Feito isso, entramos na pequena casa paroquial, anexa à nave principal e que se encontrava em iguais condições, porém, nela, o piso era em pedras cortadas de cor escura, com janelas grandes e, ao final, uma escada levando a um andar superior ao fundo, por de trás do altar principal.

casa_paroquial

casa_paroquial

 

Finalmente, nesse local, devido às condições, não tivemos coragem de subir; andávamos com muito cuidado e medo de que acontecesse alguma queda de parede ou de tábuas de escoramento e, para tanto, seguíamos pé ante pé, e nem conversávamos para não fazer barulho. Humberto nos aguardava no lado de fora próximo a cerca.

                        Havia nas paredes da nave e do cômodo anexo diversos túmulos de emparedados e pudemos observar que todos compunham a família de Humberto, ou seja, Silva Neiva.

tumulo

tumulo na parede

 

Na saída, evitei naquele momento de comentar este fato, porem, era conhecedor de que a família de meu amigo tinha sido proprietária de todas aquelas terras.

                        Fotografamos o grande crucifixo e, em seguida, eu e Cleber fomos por uma trilha de quinhentos metros, até atingir o cemitério do antigo arraial. 

estrada do cemitério

estrada do cemitério

 

                        O cemitério de Pouso Alegre está tão deteriorado quanto a Igreja. As laterais, em adobe, muitas já ruíram e alguns túmulos também estão destruídos, por vândalos ou pela própria ação do tempo. Enfim, Fizemos alguns registros fotográficos desse cemitério, especialmente, dos muros em adobe, nas partes em que eles ainda resistem.

cemitério_de_pouso_alegre

cemitério_de_pouso_alegre

 

                        Assim como aconteceu na Igreja, novamente observamos no cemitério imensa quantidade de placas com os nomes da família Silva Neiva.

cemitério

cemitério

 

                        Retornando ao carro onde amigo Humberto me aguardava, não resisti e gritei ainda de longe,- “ô Humberto acho melhor você não ir nesse cemitério não”, rapidamente ele já deu um sorriso e me respondeu “ Uai, Rodolpho, já sei, meus parentes tão tudo ai né, vai me dá depressão”. Finalizei gritando ainda: “é alem de que, quem não é visto também não é lembrado”.

                        Humberto ria bastante ao mesmo tempo em que aproveitava para concertar o cercado de arame farpado que estava caído para com isso evitar que algum cavalo ou boi viesse a esbarrar na Igreja, ou acabar de destruí-la.