CAIRU, Viagem aos Primórdios do Brasil

(Por: José Rodolpho Assenço)

                        Cairu o único município arquipélago do Brasil, hoje conhecido internacionalmente por diversos destinos turísticos, incluindo Morro de São Paulo na ilha vizinha de Tanharé, consta ser a segunda cidade mais antiga do país.

                        Em janeiro deste ano, estando perto de Cairu, não poderia deixar de fazer uma visita, escolher um dia para conhecer essa cidade tão antiga de nosso país e suas belezas históricas. 

cairu

convento-e-igreja-de-santo-antonio

                     Contei nesse passeio que, começou pela manhã finalizando próximo às 15 horas, com Esne e Marcela casal paulistano, que conhecemos em nossa viagem, dos quais aproveitamos por algumas vezes da agradável companhia, e que estavam imbuídos do mesmo interesse.

                        A Ilha de Cairu era habitada nos primórdios por índios Aimorés, guerreiros e antes da metade do século XVI, por volta de 1530 começou a ser ocupada por Francisco Romeu, administrador da Capitania de São Jorge de Ilhéus, que decidiu criar uma povoação no local, mesmo com os enfrentamentos dos índios.

                        O povoado cresceu tornando-se vila em 1608, e sendo uma das mais importantes da colônia, com o nome de Vila de Nossa Senhora do Rosário de Cairu.

                        Sua Igreja Matriz foi iniciada logo no inicio da povoação por ordem Francisco Romeu, sem data exata, sofrendo ao longo do tempo diversas modificações e reformas.

cairu

matriz-de-nossa-senhora-do-rosário

                        Porém, o local mais visitado trata-se do Convento e Igreja de Santo Antonio, primeiro conjunto de obra barroca no Brasil.

                        Anterior a Igreja de Santo Antonio, havia no local uma pequena capela construída pelo casal Domingos Fonseca Saraiva e esposa, que eram sempre utilizadas por frades franciscanos que começaram na seqüência a construir casas ao seu redor.

                        Em 1650 o frei maior franciscano, Sebastião do Espírito Santo, atendendo pedido dos moradores, mandou três companheiros franciscanos, que foram recebidos com festa pela população no intuito de fundarem a Igreja e o convento no local da antiga capela.  Criaram inicialmente uma estrutura de taipa no mesmo ano, e em 1654 foi iniciada a obra definitiva.

                        A obra pela falta de recursos da doação da população e da própria ordem franciscana se arrastou por quase cem anos, a capela mor e sacristia foram finalizadas em 1661, mas seu conjunto só foi concluido em 1750.

                        Após sua finalização os franciscanos passaram a sofrer muitas necessidades, quase sendo extintos no século XIX, com isso a bela obra teve parte de seu acervo danificado com o passar do tempo.

                        Em nossa visita, assim que desembarcamos no pequeno porto de Cairu, com uma pequena praça ao seu lado, Iniciamos uma subida para o Convento por uma rua repleta de casarões do período colonial, onde pude fazer alguns registros, momento no qual, um jovem de bicicleta se aproximou perguntando-nos se íamos visitar o convento, confirmando que sim ele disse cuidar do convento, e que auxilia o Padre, e nos acompanhou. 

cairu

cairu

Ao final dessa rua chegamos ao primeiro outeiro onde esta localizada uma pequena praça e o Convento e Igreja de Santo Antonio.

cairu

igreja-de-santo-antonio

                        O jovem nos conduziu por uma porta que deu acesso a um corredor, de onde já observávamos os azulejos azuis portugueses, demonstrando ser uma obra muito antiga, finalizando no pátio interno do convento.

cairu

convento-de-santo-antonio

                        Após preenchermos o caderno de visita, iniciei minha serie de fotos, Esne por sua vez, perguntava ao jovem informações sobre o convento enquanto eu fotografava os belos azulejos.   O jovem disse a Esne que o Pároco estava finalizando seu almoço e que iria em breve nos atender.

cairu

azulejos-portugueses

                        Posteriormente o ele nos conduziu a Igreja de Santo Antonio, a sua nave, a capela-mor e na sala paroquial, sendo esta, muito rica com diversas paredes em azulejos portugueses, pias de pedras, um altar pintado em ouro e um grande armário muito antigo com diversas gavetas.

cairu

igreja-de-santo-antonio-em-cairu

                        Outro armário na parede nos causou estranheza, com inúmeras pequenas gavetas. Foi quando nosso guia informou que todas eram falsas e apenas uma era  a verdadeira para guardar assim, no caso de uma invasão as obras e riquezas dos franciscanos.

cairu

casa-paroquial-da-igreja-de-santo-antonio

                        Voltando ao convento nosso guia nos apresentou uma ultima sala onde estavam guardadas, com mais cuidado, as obras sacras da igreja, diante do risco, de invasão e furto.

                        Logo que finalizamos a visita o Padre desceu e nos recebeu com carinho, conversou com Nayara, Marcela e Esne, nos presenteando com muita atenção, compramos lembranças do local e agradecendo toda atenção dispensada pelo pároco e nosso pequeno anfitrião, e seguimos por uma rua com mais uma subida em direção a Matriz.

cairu

cairu

                        Na praça da Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Cairu, logo fotografei sua fachada e ficamos por observar a  pequena cidade lá do alto, estando a matriz no outeiro mais elevado.

                        Finalizada as visitas, iniciamos nossa descida para o porto, por outra rua, onde ainda tivemos que em um pequeno bar, aguardar a chegada de nossa embarcação.

VALENÇA e a Igreja de Nossa Senhora do Amparo

(Por: José Rodolpho Assenço)

                        Valença cidade baiana situada na região conhecida como costa do dendê, possui uma rica história, e duas belas Igrejas com destaque especial para a Igreja do Amparo, símbolo da ocupação dessa região ainda no século XVI.

                        Em nossa visita a Valença, eu e Nayara decidimos por conhecer e fotografar em especial o porto por onde saem insistentes lanchas rápidas para ilha de Tanharé, Boipeba e demais portos fluviais, e também suas imponentes Igrejas.

valença

porto-de-valença

                        Para tanto partimos de Salvador e fizemos a opção de seguir rumo a Feira de Santana e buscar a BR 101, isto devido as informações que obtivemos de que nesse mês de fevereiro, com tantos turistas e poucos Ferryboat em funcionamento, teríamos que enfrentar muitas horas de espera para a travessia a Itaparica rumo centro sul do estado.

                        A historia da região começa com o povoamento as margens do Rio Una, onde, acontecia constantes ataque de índios em especial Tupi e Tapuia. O povoamente caiu em decadência e ficou quase desabitado por muito tempo, até quando da pacificação dos indos pelos padres por volta de 1740, quando também a aldeia do Una, na região do Amparo ganhou uma pequena capela em 1754.

valença

vista-parcial-de-valença

                        Em 1759 foi construída a Matriz do Sagrado Coração de Jesus, com diversas artes sacras defronte ao Paço Municipal.

                        A estrutura da nova igreja, porem, foi terminada em 1780 e em 1799 Valença foi elevada a Vila Nova do Sagrado Coração de Jesus.  A fé do povo enraizada continuou a adoração a sua padroeira Nossa Senhora do Amparo.

                        Valença teve um grande incremento populacional com a industrialização em meados do século XIX, com duas grandes fabricas de tecidos; Todos os Santos e Nossa Senhora do Amparo.

valença

valença

                        A Igreja de Nossa Senhora do Amparo, localizada no alto do Amparo, local onde, havia o primitivo povoamento de Una, possui uma construção grande retangular e com duas torres sendo que, em uma delas possui um relógio de 1822 que ainda esta em funcionamento e que, aciona o sino de hora em hora.  Possui cinco portas, inúmeras janelas, um rico interior contanto com cinco altares neoclássicos e diversas imagens sacras.

valença

igreja-de-nossa-senhora-do-amparo

                        Retornando a nossa visita, seguimos margeando o porto fluvial, tirando fotos das lanchas, barcos e traineiras alem da área de embarque bem próximo à ponte que atravessa o rio Una.

valença

cais-em-valença

                        Em seguida, partimos em direção ao paço municipal, onde, subindo uma escadaria, chegamos a Matriz do Sagrado Coração de Jesus em um platô bem estreito, do qual rodeamos uma vez tirando fotos do local.

Matriz do Sagrado Coração de Jesus

Matriz do Sagrado Coração de Jesus

                        E nosso terceiro e ultimo paradeiro foi no Alto do Amparo, de onde se pode observar quase toda a cidade de Valença, e onde esta a imponente Igreja de Nossa Senhora do Amparo.

                        Após estacionarmos, seguimos sobre pedras até atingir um portão de ferro que estava repleto de fitas do Senhor do Bonfim, presas em seu gradio, e por onde já se podia observar logo atrás a Igreja do Amparo. 

valença

Igreja-de-nossa-senhora-do-amparo

                        Achei tão interessante as fitinhas balançando ao vento, que decidi fotografa-las.

                        No Amparo existe um grande platô, no qual decidimos caminhar sempre pela sua borda, e de onde pode avistar toda a cidade.  Logo a frente um pequeno coreto onde algumas crianças brincavam, e, em seguida ao fundo a Igreja do Amparo.

valença

patio-da-igreja-de-nossa-senhora-do-amparo

                        Permanecemos por alguns minutos nesse agradável sitio, recebendo aquele vento constante do nordeste, fotografando e observando o local.

fonte: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/valenca/historico