BOIPEBA VELHA, Uma Semana no Paraíso

(Por: José Rodolpho Assenço)

                        Boipeba Velha povoamento de dois mil habitantes, formada pela Praça Santo Antonio, a Igreja do Divino Espírito Santo e ruas adjacentes que seguem de um lado até o canal que a separa da Ilha de Tanharé, e do outro pela Praia da Boca da Barra, foi por nós visitada no ultimo verão.  Uma empreita que prevíamos uns três dias e acabamos por ficar toda a semana.

boipeba

barra-de-boipeba

                        A nossa aventura inicia-se logo na saída de Valença, isso pois o acesso a Boipeba é somente marítimo ou fluvial. Logo que subimos ao que eles chamam de lancha rápida para Boipeba, não imaginávamos o susto que tomaríamos e nem imaginávamos o motivo desse ser o nome da lancha.

                        Saindo do porto, assim que distanciamos um pouco do centro e buscamos os canais de acesso fluvial, nosso condutor da lancha rápida acelera, impulsionando as alavancas toda à frente, imediatamente dispararam os dois motores de 270 hp ao máximo, o que nos faz tomar um grande susto. Todos se agarram como pode e, com um forte vento na cara alem dos respingos seguiram-se mais de uma hora de viagem “no cacete” desviando de inúmeros bancos de areia, até atingir a foz do rio onde se localiza Boipeba.

                        Em Boipeba nos instalamos inicialmente na Pousada Anjeli do proprietário Vinicius, que, prontamente colocou seu ajudante Júlio que nos esperava no cais de Boipeba com um carrinho de mão de obra, para carregar nossas bagagens até a pousada.  Tratava-se de uma pousada agradável em cima de um morro que dá acesso tanto a vila como pelo outro lado à Praia da Boca da Barra, onde fomos surpreendido com um grandioso café da manhã.

boipeba

boipeba-velha

                        Na Ilha por sua vez, não existem automóveis e todos os trajetos são executados a pé dentro da vila, e para outros rincões da ilha através de trator puxando uma jardineira.  Existem algumas poucas motocicletas e quadríciclo na vila situação essa que apóia na conservação ambiental e ecoturistica.

                        Boipeba tem seu nome ligado à palavra tupy “m’boi pewa” cujo significado é cobra chata, e sua história ligada ao inicio da colonização da Bahia sendo uma das vilas fundadas por jesuítas mais antigas datada de 1537, quando da fundação da aldeia e da residência de Boipeba.

                        Porem em 1531 aconteceu um grande naufrágio no extremo sul da ilha na Ponta dos Castelhanos do navio espanhol “Madre de Dios”.

                        Em 1537 o Governador Geral Mem de Sá doa aos jesuítas a sesmaria das doze léguas, e Lucas Giraldes donatário da capitania ordena a criação da vila de Boipeba.

                        Anos após houve o êxodo da população de Boipeba para onde hoje é Nilo Peçanha fundando nesse local a vila de Boipeba Nova.

                        Seu maior monumento histórico é sem duvida a Igreja do Divino Espírito Santo da Velha Boipeba construída pelos jesuítas em 1610.

                        Inúmeras manifestações culturais e religiosas acontecem anualmente na vila dentre elas a procissão de Iemanjá a rainha do mar, a grande mãe, que acontece sempre no dia dois de fevereiro e da qual esse ano tivemos a oportunidade de assistir.

                        Outra atividade da comunidade é a descida do Espírito Santo que acontece sete semanas após a Páscoa com período festivo de nove dias, que se inicia com o hasteamento da bandeira seguido de cânticos e no domingo de Pentecostes a procissão do Divino Espírito Santo que percorre todo os bairros de Boipeba.

boipeba

praia-da-boca-da-barra

                        Retornando a nossa visita eu e Nayara, procuramos no primeiro dia às praias mais próximas, iniciando pela Praia da Boca da Barra que se localiza muito próxima a pousada, e onde aproveitamos do mar e de uma barraca de praia, e nessa praia permanecemos por horas.  Viemos já mais ao final da tarde passeando pela praia sentido a Barra e a vila percorrendo a areia e fotografando calmamente todos os detalhes.

boipeba

canal-de-boipeba

                        De barraca em barraca chegamos ao anoitecer no canal, próximo à vila e que separa a ilha da ilha de Tanharé.

                        Sempre no período da noite vínhamos caminhando da pousada para o centro da vila onde na primeira aproveitei para conhecer a histórica Igreja do Divino Espírito Santo. 

boipeba

igreja-do-divino-espírito-santo

A Noite em Boipeba na praça central tem inúmeras barracas com diferentes tipos de comidinhas e petisco, alem de batidas e bebidas em geral.

boipeba

praça-santo-antonio

                        As casas ao redor da praça são formadas quase todas de comercio, e em especial de restaurantes, bares, pousadas e farmácias.  E sempre toda noite existe em algum dos bares, alguma apresentação musical.

                        Existe também no centro da praça uma pequena feira Hippie que vende pedras semi-preciosas e objetos em couro e prata.

                        No dia seguinte, convidado pelo Isaias dono de uma lancha, para fazer o passeio pelas praias, seguimos para o porto onde tivemos o prazer de conhecer o casal paulistano Esne e Marcela que iriam dividir a lancha comigo e com Nayara, e dos quais fizemos uma boa amizade que nos acompanharia na estada diversos dias.

                        Assim que a lancha estava pronta subimos e partimos rompendo o canal entre as duas ilhas e seguindo pelo mar passamos inicialmente pela Praia da Boca da Barra, em seguida pela praia de Cueira e logo após a Praia de Bairema onde Isaias parou sua lancha para nosso primeiro mergulho em um lugar de rara beleza.

boipeba

pontal-de-bairema

 Na seqüência Isaias seguiu com a lancha até a praia onde desembarcamos em frente a única barraca existe e que servia caipirinha de diversos sabores.

boipeba

bairema

                        Aproveitei a ocasião para algumas fotos de Bairema antes de novo mergulho.

                        Reembarcados seguimos margeando a foz do Rio Catu por águas de rara beleza até atingirmos a Ponta dos Castelhanos.

boipeba

cairu

                        Atracado na praia dos Castelhanos novamente pudemos aproveitar da barraca existente na praia e de momentos de boa conversa descontração e muitas fotos.

boipeba

ponta-dos-castelhanos

                        Finalizamos o passeio retornando ao porto de Boipeba.

                        Nos dias seguinte sempre acompanhado de sol, praia, cerveja e as boas companhias de Marcela e Esne, descobrimos que no sábado seria a procissão de Iemanjá, e diante da agradável estada que todos estávamos tendo decidimos por permanecer em Boipeba mais uns dias e aproveitar dessa festa religiosa.

MORADA NOVA, Capital Mineira do Pescado

(Por: José Rodolpho Assenço)

                        Morada Nova de Minas município as margens da grande represa de Três Marias, tem uma historia inusitada desde sua criação até os dias de hoje.

                        No carnaval passado decidi juntamente com Nayara e meus amigos, Humberto Neiva e família visitar essa conhecida cidade que já foi muito procurada tanto pelo turismo da pesca como pelos antigos carnavais que fazia.

                        Um povoamento bem antigo que remonta os primeiros anos do século XIX, iniciado com a Senhora Inácia Maria do Rosário, fazendeira então da região que doou uma área de 180 alqueires as Missões Franciscanas, mandando construir em 1810 uma capela a Nossa Senhora do Loreto.

morada nova

igreja-de-nossa-senhora-do-loreto

                        Dona Inácia muito envolvida com as atividades religiosas decidiu por construir uma casa próxima a igreja e mudou-se em seguida para o local do lado da Igreja dando o nome ao local de sua Morada Nova.   Sequencialmente outros fazendeiros e demais pessoas da região fizeram o mesmo, construindo suas casas próximas a Igreja criando assim a primeira povoação.

                        O primeiro nome do local ficou sendo Morada, depois Nossa Senhora do Loreto e por fim Morada Nova de Minas.

                        O grande crescimento de Morada Nova aconteceu após o ano de 1950 quando se emancipou, mas foi brevemente interrompido com a criação da represa e com o fim do acesso terrestre a sua sede.

                        Conta-se que já foi um grande entreposto de cargas que chegavam ao sertão, e que também seguiriam para outras regiões.

morada nova

represa-de-três-marias

                        A inundação aconteceu de forma repentina para os munícipes, teriam sido avisados poucos dias antes o que provocou desespero a diversos fazendeiros que perderiam todas suas terras, houve nessa ocasião relatos de casos de suicídio e processos na justiça oriundos dessa intervenção.

                        “As águas começaram a chegar. Primeiro mansamente, um pontinho lá longe. E foram chegando e conquistando as partes baixas, assim como se fossem as donas. Começaram a formar pequenos braços e, em pouco tempo os braços eram poderosos como polvo. Tudo ficou submerso, como se nunca tivesse existido”.

                        Nesse contexto o crescimento ficou interrompido por muitos anos até o desenvolvimento do turismo de pesca e de eventos.   Muitos queriam passar feriados na orla de Morada Nova ou para pescar, ou simplesmente para se refrescar, porem, nos últimos dez anos devido às fracas chuvas e o recuo do nível da represa, deixou as praias distantes da água.

morada-nova

praia-em-morada-nova

                        Talvez por esse motivo os grandiosos carnavais que aconteciam já não exista mais e com isso novamente a cidade caiu em esquecimento.

                        Hoje Morada Nova desponta como a principal produtora de pescados de Minas Gerais, e uma das maiores do país com a produção de alevinos, pescados de diversos tipos em especial o filé de tilápia que é comercializado em todo Brasil.

                        Nossa viagem partiu de Paracatu, seguindo pela BR040 até aproximadamente uns trinta quilômetros após Três Marias, onde buscamos a rodovia de terra que leva até Morada Nova passando por Porto das Balsas, de onde se atravessa a represa.

                        Já estava anoitecendo quando chegamos ao porto e por sorte o balseiro nos aguardava, havia visto as luzes dos nossos carros descendo a chapada.  E assim no começo da noite atravessamos a grande represa em um trajeto de pouco mais de trinta minutos.

morada-nova

balsa-para-morada-nova

                        Nesse momento não fotografei, já era noite e deixaria esta atividade para o retorno. Do outro lado descemos em um lugarejo denominado Porto Novo, e seguimos por mais uns dezoito quilômetros até o centro de Morada Nova de Minas.

morada-nova

porto-novo

                        Assim que entramos na cidade e atravessamos o centro seguimos para nossa pousada que fica do outro lado em area rural, Pousada das Buganvílias onde fomos muito bem recebidos pelo proprietário César e sua esposa Núbia.

morada-nova

pousada-das-boganvilias

                        Após nos instalarmos e tomar um banho, partimos para a praça central a fim de assistir a um show de uma banda famosa que iria tocar nesse carnaval de Morada.

                        No dia seguinte buscamos fazer um reconhecimento em toda cidade, fomos a praia publica, onde existe alguma estrutura, porem as águas da represa não mais encostam em sua área. 

morada nova

praia-de-morada-nova

 Passamos em seguida em um bar legal onde existe a sua frente uma pequena represa, local esse denominado de Lago Sul.

morada-nova

lago-sul

                        Retornamos a pousada onde ficamos conversando com o casal anfitrião que nos contou diversas historias suas e da cidade, uma vez que César é de família da região, sendo ali terras de seus antecessores.

                        No dia seguinte decidimos tomar um banho na represa próximo a uma ponte, onde ficamos por algumas horas nos refrescando no local.

                        Na volta decidimos curtir um pouco a pousada do César onde sua esposa fritou um peixe delicioso acompanhado de uma gelada, e onde ficamos conversando por horas.

                        A cidade conta com dois bons restaurantes, a Varandas do Sandro onde tivemos a oportunidade de almoçar em um dia, e o restaurante Vandeko, que freqüentamos por algumas vezes, principalmente na noite.

                        Em nosso retorno a Brasília, tive a oportunidade de conhecer a grande represa, o pequeno povoamento de Porto Novo que possui dois hotéis um mais simples e outro mais confortável destinado a receber os amantes da pesca, ficamos de em outra oportunidade retornar para uma pescaria no local.

morada-nova

porto-novo

                        Novamente subimos à balsa e ficamos observando a grande e límpida represa e vendo Porto Novo se afastar.

fonte: http://www.moradanova.mg.gov.br/

http://portaldmoto.com.br/