(por: José Rodolpho Assenço)

                   Penedo, cujo significado refere-se a uma grande pedra dentro do Rio São Francisco, representa uma joia, uma vitrine do barroco, patrimônio histórico nacional e berço da capitania hereditária de Pernambuco.

                   Retornava com a família, meus filhos e Valéria, após uma estada em Alagoas e buscávamos chegar a Aracaju.  Decidimos, de última hora, pegar a rodovia litorânea, que segue da capital até a foz do Rio São Francisco, e, em seguida, subir até Penedo, local onde atravessaríamos de balsa para Sergipe.

vista_de_penedo

vista_de_penedo

                   Esse local foi visitado por Valéria há alguns anos quando em suas férias pelo nordeste. Por ter achado o local muito bonito, insistiu que eu o visitasse, não só pela sua beleza, mas também devido à importância histórica e as monumentais Igrejas da cidade.  Diante disso, seguimos pelo litoral nessa empreita.

                   A criação de Penedo está envolvida em diversas incertezas no tocante a sua origem e fundação. Sabemos que, desde 1501, a região já havia sido visitada por Américo Vespúcio.  Em 1532, Duarte Coelho Pereira recebeu uma frota para afastar os franceses do litoral brasileiro e foi o primeiro donatário da Capitania de Pernambuco. Alguns registros contam que, em 1560, o segundo donatário Duarte Coelho Pereira de Albuquerque já teria encontrado, no local, um pequeno povoado há sete léguas da foz do rio, com o nome de Penedo do São Francisco.

                   Em 1636, esse aglomerado foi elevado à vila, com o nome de Vila de Penedo do São Francisco.

                   Em 1637, a vila foi invadida por Mauricio de Nassau, cujo domínio durou dez longos anos, e o nome dessa localidade passou a ser Maurícia.  Não obstante, ocorreu, na vila, um movimento revolucionário de nome Openeda no intuito de livrar as terras dos invasores holandeses, o que, por fim, aconteceu em 1645.

                   Nova invasão francesa se verificou em 1660, deixando para trás o belo Convento Igreja de Santa Maria dos Anjos, escolas de francês e filosofia.

                   A cidade recebeu, ainda, em 1859 sua Majestade Don Pedro II e foi sede do Governo Imperial por alguns dias. Já em 1889, recebeu o príncipe Gastão de Orleans e Bragança Conde D´eu.

                   Nessa data, também foi criada uma escola de práticas para o Magistério Público.

                   Penedo é, sem dúvida, com seu imenso patrimônio material, o maior centro da história e de arte barroca do estado de Alagoas.

igreja_de_nossa_senhora_do_rosario_dos_homens_pretos

igreja_de_nossa_senhora_do_rosario_dos_homens_pretos

                   Retornando a nossa viagem, assim que chegamos a Penedo, atingimos uma primeira praça, onde se encontra a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.  Estacionei o veículo e iniciei um conjunto de fotos frontais e da nave dessa Igreja.

nave_da_igreja_do_rosario_dos_pretos

nave_da_igreja_do_rosario_dos_pretos

                   Seguimos para uma segunda praça onde, à direita de quem desce, encontra-se a casa de câmara, a cadeia, hoje quartel; e,

camara_e_cadeia

camara_e_cadeia

ao centro, a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário.

matriz_de_nossa_senhora_do_rosário

matriz_de_nossa_senhora_do_rosário

Providenciei mais um conjunto de fotos dessa matriz e da praça, quando percebi que, seguindo a pé, logo abaixo, encontrava-se outra praça, em diagonal com outro monumento histórico ao fundo.

nave_da_igreja_matriz

nave_da_igreja_matriz

                   Nesse segundo espaço ao fundo, estava a bela Igreja de Nossa Senhora dos Anjos e seus anexos: convento e escola.

igreja_de_nossa_senhora_dos_anjos

igreja_de_nossa_senhora_dos_anjos

                   Prosseguimos até próximo ao cais, onde se encontra outra parte do centro histórico e onde pude parar e visitar a belíssima Igreja de Nossa Senhora da Corrente.

igreja_de_nossa_senhora_das_correntes

igreja_de_nossa_senhora_das_correntes

                   Essa Igreja, em especial, deixou-me maravilhado, notadamente pelos numerosos afrescos e detalhes no entalhamento com pinturas em ouro.

interior_igreja_da_corrente

interior_igreja_da_corrente

                   Finalizamos nossa rápida estada nessa belíssima cidade deixando para trás, ainda para conhecer, inúmeros prédios e Igrejas. Porém, prometi a meus filhos outra estada mais prolongada em Penedo para conhecer, com mais profundidade, tanto a história como os demais casarões e prédios públicos.

porto_de_penedo

porto_de_penedo

                   Buscamos, por fim, a balsa. Atravessamos o Rio São Francisco e vimos esse belo patrimônio se distanciar.