Paste your Google Webmaster Tools verification code here

Monthly Archives: Abril 2014

by

Museu Vivo da Memória Candanga

Categories: fotostrada, Tags: , , , , , , , , , ,

(por: José Rodolpho Assenço)

                         O Museu Vivo da Memória Candanga provavelmente seja o maior conjunto arquitetônico da história da Capital do país. Fundado em data anterior à cidade, localiza-se em um local estratégico, na junção das duas principais rodovias: a que vem de Goiânia, BR-60, e a que liga Brasília a Belo Horizonte, BR-40. Constitui, na verdade, uma relíquia da época embrionária da nova capital.

casas

casas

                        Com o início da construção de Brasília, a partir de 1956, um grande fluxo migratório acontecia no país em busca da nova capital: nordestinos, mineiros, cariocas, nortistas e os vizinhos goianos fluíram na direção da almejada Capital da Esperança na busca de empregos, riquezas e de um futuro melhor. Trouxeram ricas e diferentes culturas. 

                        Como ainda não havia habitação definitiva, esses aventureiros, trabalhadores e empresários criaram acampamentos pioneiros, construídos em tábua. O maior de todos — e de grande destaque por ter sido o pólo comercial da cidade — foi a famosa “Cidade Livre”, hoje Núcleo Bandeirante.

                        Logo em seguida, em 1957, construíram próximo dali, e em apenas dois meses, o primeiro Hospital da nova capital, o HJKO, que contou com sede principal, ambulatórios, laboratórios e casas para funcionários.

predio_principal_do_hospital

predio_principal_do_hospital

                        Assim como a Cidade Livre, foi construído totalmente em madeira, especificamente tábuas e forro, em diversas casas dividindo cada atendimento.

                        Foi desativado em 1974, após a inauguração do Hospital Distrital. No entanto, hoje encontra-se tombado, com suas casas pintadas cada uma em uma cor, servindo de museu, história viva dos primeiros momentos da capital do país.

                        Em visita que fiz a esse museu, comecei pela primeira casa pintada em cor telha, onde funciona o ateliê do grupo “Gravura em Foco”, que Dona Eliana, esposa do amigo Dr. Luís, possui, com suas amigas. Tive a satisfação de registrar alguns trabalhos realizados por ela e seu grupo, observando o espaço em si e até mesmo a prensa utilizada para gravar essa singular arte.

gravuras

prensa_de_gravuras

                        Prossegui subindo a rua central em direção à sede principal do Museu, onde funcionava o Hospital. No caminho, chamou-me atenção as casas coloridas atrás mencionadas.

casa_do_antigo_ambulatorio casa

                        Cada uma delas serve de abrigo para algum tipo de manifestação artística ou artesanato local. Ressalte-se que diversas oficinas acontecem nessas casas difundindo os conhecimentos artísticos.

artesanato

artesanato

                        Na sede, temos o museu com a exposição permanente “Poeira, Lona e Concreto”, contendo diversas peças e objetos da época, bem como os registros fotográficos feitos pelos fotógrafos pioneiros dessa epopeia. Conta ainda o espaço com um consultório médico montado na forma que era quando de sua instalação inicial: diversos ambientes com peças que remetem ao cotidiano do Candango.

exposiçao fotos_historicas_de_brasilia

                        Vale lembrar que denominamos Candango todos aqueles que vieram ou que de alguma forma trabalharam na construção de Brasília.

restaurante_e_area_de_convivencia

restaurante_e_area_de_convivencia

                        Observei que há, naquele local, um restaurante instalado, anexo a uma grande área de convivência, onde fui recebido pelo Sr. Paulo, o proprietário, que prontamente me proporcionou uma saborosa refeição caseira num local extremamente aprazível, embaixo de uma mangueira.

museu_de_carros_antigos

museu_de_carros_antigos

                        Em seguida, dirigi-me ao grande galpão, onde encontra-se instalado o Museu do Automóvel, pertencente a um famoso Clube de colecionadores da capital, oportunidade em que fiz os últimos registros fotográficos do passeio cultural.

by

OLHOS D´AGUA

Categories: fotostrada, Tags: , , , ,

(por: José Rodolpho Assenço)

                        Em uma manhã de sábado, decidi seguir caminho em direção a Olhos D´agua, povoado distante de Brasília não mais que cem quilômetros, famoso pelo seu artesanato e por alguns restaurantes. Fazia doze anos que, pela primeira vez, havia visitado esse local.

igreja_de_olhos_d´agua

igreja_de_olhos_d´agua

                        Segui nessa empreita na companhia de minha namorada, que não conhecia o local. Cerca de uma hora de viagem, chegamos ao povoado. Seguimos diretamente para a praça central desse lugarejo, que já foi município e que perdeu essa condição para Alexânia, Goiás.

restaurante_em_olhos_d´agua

restaurante_em_olhos_d´agua

                        Conta a história da região que ainda na década de trinta do século passado uma ex-escrava chamada Francisca dos Anjos teria feito uma promessa a Santo Antonio e, caso fosse atendido o seu pedido, ergueria uma capela para ele nessa local, junto a um olho d´agua, que era utilizado pelos viajantes de então. No entanto, um padre da época se entusiasmou com a  história e se antecipou, pedindo aos fazendeiros que ajudassem na construção da Igreja de Santo Antonio, o que se concretizou em 1941.

                        Com a construção da Igreja, seguidas de festas para o referido Santo, formou-se o povoado que passou a se chamar Santo Antonio de Olhos D´agua, devido o início da construção de Brasília, teve seu crescimento acelerado, isso em 1956. Logo em 1958, desmembrou-se de Corumbá de Goiás, tornando-se município, condição essa, porém, que durou pouco tempo, pois, logo em 1961, a sede, por decisão da Câmara, mudou-se para a recém-criada Alexânia, devido ao crescimento acelerado deste novo povoado às margens da BR-60.

                        Olhos D´agua é famosa por suas festividades de Santo Antonio e do Divino, mas especialmente devido a sua tradicional feira de troca, que acontece duas vezes ao ano para divulgar e promover os artesões da localidade.

bandeiras

bandeiras

                        Outro tópico de destaque é a praça central de Olhos D´agua, ou Praça de Santo Antonio, por estar localizada exatamente na linha imaginária do Tratado de Tordesilhas, que dividia os territórios pertencentes a Portugal dos da Espanha. Esse assunto foi tratado pelo historiador Paulo Bertran, especialista em pré-história de Goiás. Aliás, foi prevista a construção de um monumento ao Tratado de Tordesilhas, que será erguido na Praça Santo Antonio com desenhos dos brasões de Portugal e da Espanha.

casa_em_olhos_dagua

casa_em_olhos_dagua

                        Voltando a minha incursão, assim que chegamos à Praça, tiramos algumas fotos e observamos uma simpática charrete que passeava com crianças pelo povoado. Visitamos uma pousada e fotografamos as casas mais antigas, justamente as que estão em volta da referida praça, de calçamento em pedra semelhante à de Pirenópolis.

olhos d´agua

olhos d´agua

                        Fomos recebidos pelo amigo médico Dr.Luis Cláudio, que nos convidou para conhecer e almoçar no Restaurante “ComTradição”, que conta com uma culinária caipira com toques de requintes e um excelente doce de leite e de banana como sobremesa.

comtradição

comtradição

                        O restaurante é amplo e arejado, onde seus proprietários recebem a todos com muita atenção e carinho, e também serve de palco para exposições artísticas de quadros, pinturas e gravuras.

galeria

galeria

exposiçao_no_comtradiçao

exposiçao_no_comtradiçao

                        Mas um passeio pela agradável vila aconteceu após o almoço, quando visitamos uma loja de artesanato bastante interessante, que fica situada defronte à igreja.

artesanato figuras_artesanais

                        Por fim, vale registrar, que tomamos conhecimento da existência de algumas belas cachoeiras e banhados nas proximidades de Olhos D´agua. Deixamos para visitá-los em outra oportunidade.

1 2 3