(por: José Rodolpho Assenço)

                        A História da “Villa de Paracatu do Príncipe” nos revela algumas etapas fantásticas e intrigantes. A do Padre Antônio Mendes Santiago, por exemplo, é uma delas.

                        Conhecedor de sua história, busquei fotografar as Igrejas de Paracatu, em especial aquelas que teriam sido por ele construídas.

igreja_de_santo_antonio

                        Padre Mendes Santiago participou e comandou tropas no levante denominado “Sedição”, acontecido no noroeste mineiro, notadamente no Vale do São Francisco, onde ele era vigário geral no ano de 1736. Padre Santiago, à frente de duzentos homens da tropa da latifundiária Dona Maria da Cruz, tomou a vila de São Romão.

                        Esse levante foi a luta entre os potentados do sertão. De um lado, os grandes proprietários de terra apoiados pelo Padre; e, de outro, aqueles que defendiam as ordens da capital da província. Essa luta foi considerada como marco final do domínio do sertão pelos proprietários, o que mudou o foco econômico, valorizando as regiões mineradoras.

                        Padre Santiago e os proprietários perderam a batalha. Tiveram suas terras e fortunas confiscadas. O religioso, porém, fugiu, tempos depois, e buscou refúgio na casa do bispo de Olinda.

                        Com a descoberta do ouro no Arraial de Paracatu, volta a cena a figura temida do Padre Mendes Santiago, tendo ele construído, em 1744, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e um belo largo de mesmo nome; já em 1746, edificou a Igreja de Santo Antonio de Manga (hoje Matriz de Santo Antonio), cujo nome veio da ordem do bispado em se construir uma Igreja em Manga para Santo Antonio.

matriz_de_santo_antonio igreja_do_rosario

                        O Padre teria mudado deliberadamente a intenção de se construir essa Igreja em Manga, e a trouxe para o Arraial. Logo em 1755, Santiago foi nomeado oficialmente vigário geral de Paracatu.

praça_da_matriz largo_do_rosario

                        Esse padre era considerado terrível e temido por todos. Dizia-se, à época, que era chefe do tribunal da Inquisição. Tornou-se também o chefe absoluto de todo o sertão. Cobrava taxas sobre o ouro auferido pelos garimpeiros; julgava os infiéis — ou quem não lhe pagasse os tributos — de forma severa com tortura e morte, além de confiscar-lhes os bens. 

                        Criou uma Irmandade que controlava as pessoas mais abastadas e que impunha as penas àqueles que cometessem crimes de não pagar os impostos por ele estipulados.

                     “A Irmandade das Almas, controlada pelo padre Santiago, vigiava as pessoas ricas e ajudavam o pobre a morrer. Os Carrascos dessa Irmandade eram o Dionísio e a sinhá Andreza.  A sinhá Andreza “tinha uma cara de corujão”, usava óculos quadrados, era obesa. Ela ajoelhava sobre o estomago de suas vitimas e apertava com força a garganta dos pobres enfermos, bradando: “Diga, Jesus, Irmão! Diga, Jesus, Irmão! Se não pode dizer de boca, diga de coração!.”” (SOUZA, Marcos Spagnuolo. Paracatu: sua história. Paracatu: [s.n], 1999. p.121.)  

                        Após muitos anos de horror, em 1761, a população de Paracatu representou ao bispo contra o Padre que, em 1767, por fim, vendeu e pegou toda a fortuna que conseguiu acumular em Paracatu, e sumiu.

                        Voltando às Igrejas que visitei, especialmente a de Santo Antonio, fui recebido por uma funcionária do turismo da cidade, que me apresentou o interior da Igreja e toda a nave: com piso de madeira e diversos túmulos abaixo;  altar principal, com muitos  santos; altares secundários e laterais.   

nave_da_igreja_de_santo_antoniodetalhes_das_portas

 

 

altar_secundario altar_lateral 3 altar_lateral 2 

                        Pude observar que havia, nas duas laterais da Igreja, balaustres em formato de sacada que, segundo me relatou a jovem, o padre usava para falar ou gritar mais perto de seus fiéis. Nesse momento, questionei se ela tinha conhecimento da história do Padre Mendes Santiago, e ela me confirmou que sim. Sabia que ele tinha sido o construtor da referida Matriz e que também havia cometido algumas atrocidades na região.

balaustre altar_lateral 1

                        Feliz com o conjunto de fotos realizadas e de ter materializado toda a história que pesquisei, dei-me por satisfeito.