(por: Cleber Medeiros e José Rodolpho Assenço)

                       Pesquisando sobre a história de Goiás e procurando traçar um novo roteiro para viajar, nos deparamos com Traíras, ou Arraial de Thraíras, próximo a Niquelândia – município no norte de Goiás.

                         Para esta viagem formamos um pequeno grupo constituído por mim, minha namorada Ana Paula, o professor e fotógrafo Cleber Medeiros e sua namorada Jaque Araújo.

                         Embora tivesse lido e ouvido histórias do sertão nunca havia me deparado com tal nome, assim sendo, não sabia da existência deste lugar.  Imediatamente busquei Mapas na internet que localizassem ou ainda tivessem imagens dessa vila e descobri que a mesma ficava apenas a doze quilômetros de Niquelândia.

                        Rumamos pela Internet para o norte de Goiás, chegando a Niquelândia. Não demoramos muito a encontrar o Arraial perdido bem próximo a rodovia, com suas casas e casarões que pelo que vimos no mapa pareciam estar em ruínas. Concluímos imediatamente que necessitávamos montar uma rápida excursão em busca de tal achado.

                        A historia de Traíras está intimamente ligada ao início da colonização de Goiás e representa definitivamente a total falta de cuidado de nossas autoridades – bem como da população – na preservação de seu patrimônio.

_CSM5869_2

                        A Colonização de Goiás teve início após as Bandeiras de Bartolomeu Bueno da Silva (Filho) – o Anhanguera – que, localizando ouro as margens do Rio Vermelho, proporcionando as primeiras povoações em 1726.

                        Após isso também foram localizadas lavras em Pirenópolis, então Meia Ponte, porém logo no início de sua extração, estas já apresentavam sinais de limites e que logo iriam se exaurir. Manoel Rodrigues Tomar, que fundou o Arraial de Meia Ponte, prosseguiu sua andança rumo ao norte em busca de novas lavras, o que aconteceu em 1735, resultando na fundação de Traíras, às margens do rio de mesmo nome, em referência a uma espécie de peixe.

casa_antiga

                        Traíras rapidamente cresceu, e se transformou em um dos mais prósperos arraiais da província, atingindo o auge da produção de ouro em 1755, data em que foi elevada à condição de distrito da província.   Já em 1779, Traíras era um importante ponto econômico e o segundo maior povoamento da província, ficando atrás apenas de Vila Boa. A essa época com uma população de aproximadamente dez mil habitantes, já contava com diversas casas, Igrejas, comércios e 23 engenhos em sua região.

trairas

                        Até por volta de 1800, mais de quinze mil garimpeiros circulavam pelo arraial, porém a era do ouro em Goiás durou pouco tempo e, assim como as demais lavras da região de Vila Boa, as minas de Traíras seguiram o mesmo caminho com o declínio da produção.  Em 1824, o Marechal Cunha Matos descreveu uma forte decadência na região.

                        O Arraial teve ainda seu momento de grande importância na época em que foi sede do Império, quando da visita de Dom Pedro II em 1835 – por dois dias apenas – oportunidade em que teria recebido de presente um cacho de banana feito em ouro de um garimpeiro.

casa_que_hospedou_dom_pedro_II

                        Atualmente restam poucas casas desse período e diversas ruínas, entre elas, resquícios de suas três igrejas; a primeira, a Igreja do Senhor do Bom Jesus, que hoje é um cemitério, também já abandonado e a Igreja do Rosário – ao centro – onde existem apenas algumas paredes de pedra.  Havia ainda no centro do Arraial, um grande presídio, que foi queimado com os presos dentro por volta de 1910, restando como ruína, um único pilar.

ruina_da_igreja_do_rosario Igreja_do_rosario

                        Das edificações restantes, temos o antigo Cartório, a casa onde hospedou Dom Pedro II, a casa de Brasil Rogado e a casa de Romero João  Pereira, que apesar de estar parcialmente em ruína, insiste em ficar de pé. 

casa_de_brasil_rogado casa_de_romero_joao_pereira

                        As Igrejas de Traíras, que já ruíram, foram tombadas pelo IPHAN em 1955. Há registro de que, em 1966, foi a data em que ruiu a igreja do Rosário.

cemiterio_e_vista cemiterio

                        Moram aproximadamente 200 pessoas no local e este passou a ser chamado de Tupiraçaba, no mesmo momento em que houve a mudança do nome de São José do Tocantins para Niquelândia, estando esta distante a apenas 12 quilômetros.

casa_de_fundiçao

                     Traíras, que foi a segunda maior e mais importante vila da Capitania, no tocante à economia, continua esquecida, e a história do Brasil Colônia vai se derretendo nas suas construções em adobe de pilão, pelo descaso.

                     Voltando ao tempo presente, passamos a caminhar pela cidade e conversar com os moradores, colhendo informações.            

                     Não poderíamos deixar de citar o Sr. Francisco João Pereira – bisneto de um bandeirante – que nos contou historias sobre a região, mostrou-nos alguns artefatos históricos que guarda com carinho, como a bateia que sua avó usava e alguns grampos onde se prendiam correntes da cadeia incendiada.

francisco_joao_pereira

                        Terminamos nossa visita ao Arraial, deveras satisfeitos, pois conseguimos registrar e conhecer um pedaço de nossa historia, que poucos terão oportunidade e curiosidade de visitar, mas que vale cada quilômetro percorrido.