(por: José Rodolpho Assenço)

                        A Praia do Francês talvez seja a mais badalada do litoral Alagoano e, sem dúvida, uma das mais bonitas do país, segundo revistas especializadas em turismo, porém esconde histórias perdidas no tempo e desconhecidas por quase todos os turistas, histórias que começam ainda na metade do século XVI.

                        Em 1555, consta que os Franceses ali desembarcaram e estabeleceram um primeiro núcleo urbano, provavelmente o primeiro em todo o nordeste. Esses invasores criaram ali um pequeno povoado e utilizavam-se da grande barreira de coral — proteção natural para embarcações — como porto, tudo isso com a finalidade de, por intermédio desse local, embarcar o Pau Brasil, que era muito utilizado na Europa, não somente como madeira, mas também para dele se retirar extratos utilizados em tinturaria.

barreira_coral vista_da_praia

                        Esse povoado existiu mesmo anterior às capitanias hereditárias. Relata sua história que, com a invasão holandesa, em 1633, a entrada nas terras alagoanas ocorreu pelo Porto do Francês, incidente que resultou na queima de diversas embarcações e saques na vila.

vila_do_francês

                        Serviu também o Porto do Francês, no período colonial, para embarque de pessoas e mercadorias de toda Província e, em especial, da capital Villa de Madalena do Sul (Marechal Deodoro); foi também ponto importante para o desembarque de escravos que vinham para trabalhar nas lavouras da região.

porto_do_frances

                        Conta-se que, por volta de 1869, naufragou uma Escuna Alemã que fazia comércio de escravos, e dizem que os nativos que, quando a maré está bem baixa, ainda hoje, é possível ver os canhões desse antigo navio.

praia_do_francês

                        Existe ainda, na vila, as ruínas de um velho hospital, conhecido como leprosário, informação essa, no entanto, que não parece verdadeira, uma vez que as referidas ruínas são de um grande hospital construído em 1855 pelo então Governador da Província, com a finalidade de tentar conter um surto de cólera.

surf_no_francês

                        Consta que, por muitos anos, comemorava-se, na vila do Francês, o Dia da Hora, que era uma homenagem a Jesus Cristo e ocorria toda quinta-feira santa, dia em que os pescadores saiam para seu ofício. Nessas ocasiões, todo o pescado trazido era cedido à população local. E o interessante era que a pescaria realizada nesse dia era sempre bem farta.

vista_de_maceió_ao_fundo vista_da_praia_do_frances

                        Na visita que fiz, escolhi uma segunda-feira para ir à Praia do Francês. Saí bem cedo para fazer algumas fotos, por saber que esse praia, devido a sua beleza, comodidade e proximidade, conta, nos finais de semana e feriados, com grande quantidade de barracas na orla, além de atrair diversos ônibus vindos dos mais variados lugares, tornando o local quase que intransitável nessas ocasiões. Um sufoco, portanto, para quem pretende pegar uma praia nesses dias.

vista_da_orla barracas_da_orla

                        Consegui boas imagens da Praia, da barreira de coral e da entrada de sua estreita barra, esta possivelmente a quem protegia as embarcações de outrora.

barreira_de_coral praia_frances

(Referencia histórica e bibliográfica: HELENO, Sebastião – Ecos Ecos Ecos Deodorenses)