(por: José Rodolpho Assenço)

                         A história da Fortaleza de Santa Catarina envolve muitas idas e vindas e reconstruções, palco de batalha de diversas invasões francesas e holandesas na costa da Paraíba.

                        Localizada a poucos quilômetros de João Pessoa, dentro da cidade de Cabedelo, sua função sempre foi proteger a entrada do Rio Paraíba de corsários, piratas e invasores estrangeiros. Diversas batalhas sangrentas ali ocorreram, com destaque para capacidade dos portugueses em resistir a tamanhas incursões.

muralha_da_fortaleza

                        Tudo tem início com a construção de uma singela fortificação — estrutura ainda de taipa — no local, em 1586, denominada de Forte de Cabedelo, edificada ao lado do arraial de Filipéia de Nossa Senhora das Neves, e que foi arrasada completamente poucos anos depois por um ataque de um corsário Francês em 1591.

forte_de_santa_catarina

                        A partir de 1597, foi novamente construído, dessa vez, utilizando-se de pedras, e com uma capela ao centro, a de Santa Catarina de Alexandria, em referência a Dona Catarina, Duquesa de Bragança. Todavia, no mesmo ano de sua inauguração, houve novo ataque, promovido pelos franceses, o que acarretou a morte de quase toda a guarnição. Poucos anos depois, no entanto, novamente os portugueses tomaram seu controle, e ele foi reconstruído com ampliações em 1618.

fortaleza

                        O Forte foi também de importância histórica na defesa da costa e da Capitania da Paraíba quando da segunda invasão holandesa no Brasil, ocasião em que teve suas defesas reforçadas, bem como ampliado o seu efetivo de canhões e guarnição, o que resultou em importante resistência portuguesa em 1631.

muralha_do_forte paiol

                        Todavia, no ano de 1634, novos ataques holandeses ocorreram, sendo que o maior de todos culminou com o bloqueio do Rio Paraíba e o falecimento de seus comandantes. A esquadra holandesa, além de destruir as muralhas do Forte, conseguiu, por fim, que a guarnição portuguesa se rendesse após mais de oitenta baixais.

fortaleza_de_santa_catarina

                        Em mãos holandesas, o Forte permaneceu por muitos anos, tendo sido reconstruído e reforçado por esses invasores, que permaneceram  até 1645, quando a região de Filipéia, hoje Cabedelo, foi novamente tomada pelos portugueses, sendo que, por fim, em 1654, os holandeses não tendo mais nenhum apoio da redondeza, e estando completamente ilhados, abandonaram definitivamente o local.

vista_interna_do_paiol vista_do_predio_principal

                        Novamente foi reconstruído pelos portugueses e em 1718, quando já possuía mais de quarenta peças de ferro e bronze de diversos calibres.

corredor_do_predio_dos_oficiais corredor

                        A partir do começo do século vinte, a fortaleza começou a ruir  suas muralhas, ação do tempo, das chuvas e do mar, tendo sido tombada pelo patrimônio histórico em 1938.

praça_principal_da_fortaleza fotaleza_santa_catarina

                        Atualmente, conta a Fortaleza de Santa Catarina com prédio de dois pavimentos, com prisão, salas e alojamento de oficiais, alojamento de soldados, paiol, e uma grande e larga muralha de pedra com uma bela vista para o Rio Paraíba, quase em sua foz, além de diversas peças de canhões.