(por: José Rodolpho Assenço)

O litoral brasileiro guarda diversos segredos e mistérios. Um litoral de rara beleza e ainda com diversos locais raramente visitados.  Nesse contexto que tal conhecer uma cidade de 269 habitantes no extremo norte do litoral bahiano?  Assim é Mangue Seco.

mangue seco2rio real

                        Conta-se que a historia do local começou em 1548, quando do naufrágio de uma embarcação, onde seus passageiros e tripulantes que se salvaram deram a aquele local o nome de Vila de Santa Cruz da Bela Vista.  Algumas ruínas ainda restam desse período.

mangue seco1

                        Atualmente Mangue Seco é um lugar de beleza única uma cidadezinha que não transita carro -, até porque o único acesso a cidade é feito de buggy, ou de lancha-, não existe asfalto nem calçada. Uma aldeia de pescadores que hoje tem no crescente turismo sua principal fonte de renda.

                        Em sua praça principal algumas pousadas, bares e restaurantes  erguidas por estrangeiros e uma simpática igrejinha tornam-se atrativos especiais. Pode-se andar a pé por suas ruas de areia ou de buggy com condutores nativos.

                        Mas o ponto principal são suas dunas que a rodeia e de onde se pode avistar todo saco do rio Real na divisa com Sergipe, e, na seqüência os famosos coqueiros palco de filmagem da novela Tiêta (Rede Globo). A sua frente um mar maravilhoso que em maré baixa é apropriado para banhistas e em maré alta para pratica de esportes.  Pode-se contratando um buggy, passar algumas horas agradáveis de praia e retornar a vila.

coqueiros2 tieta1

praia de mangue seco

                        O Rio Real, espraiado e de qual a vila esta as suas margens tem também sua importância, além de ser o habitat de diversos peixes que atendem sua população e os turistas.

coqueiros

                        O acesso a Mangue Seco pode ser feito por Buggy ou veiculo com tração, porem, o melhor caminho é vindo de Aracajú e seguindo no sentido de Mosqueiro, Abais até o local de embarque das lanchas que fazem a travessia, chamado de Porto Nangola.